Meu marido conta sobre sua deficiência

Dia 03 de dezembro é o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Por isso, é também o dia do meu marido. Esta data ─ 3 de dezembro ─  passou a ser importante para mim muito antes de eu conviver com as necessidades especiais de meu primeiro filho. Afinal, o Fabio, meu marido, também tem uma deficiência. No texto abaixo, ele conta um pouco de sua história, suas lutas e do porquê esta identidade se tornou um PLUS na nossa vida. 

 

 


 

Olá, eu sou o Fabio, marido da Kerol do Mater Plus e pai de 3 pitocos lindos.

Como a Kerol comentou acima, sou deficiente físico. Sou portador de uma doença chamada Charcot-Marie-Tooth, uma distrofia neuromuscular.

Minha deficiência começou a se manifestar na minha adolescência, quando eu tinha de 14 para 15 anos. Perceber que eu era diferente justo numa fase da vida em que o “mais importante” é ser “igual” aos outros acabou com minha autoestima.

Foram anos difíceis, eu tentava disfarçar a minha deficiência para parecer “normal”. Embora eu tenha sido relativamente bem sucedido em disfarçar para os outros, não tinha como esconder de mim mesmo. Eu me consultei com vários neurologistas e ortopedistas e… nada, ninguém foi eficaz em me dar um diagnóstico do que eu tinha e nem me dizer como lidar com isso.

Até que finalmente, aos 22 anos de idade, o Dr. Cadri Massuda (a quem sou eternamente grato) não apenas diagnosticou minha doença como foi muito competente em me explicar como lidar com ela na prática: tipo de fisioterapia que eu teria de fazer para o resto da vida, cuidados ao caminhar ou correr para minimizar os tropeços e quedas (que, acredite em mim, são vários!). Enfim, eu descobri o que eu tinha e como lidar com as limitações.

Com o passar dos anos aprendi não apenas a lidar com as limitações que a deficiência me impôs, mas aprendi a tirar proveito delas. Percebi que isso não era um castigo e sim um presente. Afinal, diariamente sou lembrado de que preciso me esforçar pra superar a deficiência física e caminhar ou correr sem me “abraçar com o chão” (ou seja, cair) a cada 4 ou 5 passos. Se não me esforço, se me distraio, o resultado é imediato: mesmo em pisos perfeitamente lisos eu tropeço no meu pé — ou no vento — e logo estou dando um caloroso beijo no chão. A minha deficiência me tornou um homem mais focado, resiliente e capaz de superar obstáculos.

Percebi que, se eu era capaz de superar minhas limitações físicas, também poderia superar TODAS as outras limitações: psicológicas, emocionais, intelectuais, sociais, etc. Por ser deficiente, já estava acostumado ao esforço da superação, logo, os esforços necessários para melhorar como marido, pai, profissional, filho, irmão, enfim, melhorar em tudo, não me assustavam e desde então é o que eu tenho feito, diariamente me esforçado por me superar em todas as áreas da minha vida.

Essa mudança de mentalidade expandiu meus horizontes de uma forma inimaginável. Entendi que as dificuldades existem para nos ajudar a crescer, a sermos pessoas cada vez melhores, mais úteis ao Mundo. Entendi que, se as limitações e dificuldades (que todos nós temos) nos propiciam a chance de melhorar, as deficiências e limitações proporcionam à humanidade a chance de revolucionar, de subir de nível, de se aproximar mais e mais da perfeição.

Afinal, o estado da arte em termos de perfeição humana é possuir a habilidade de se superar a cada dia, de hoje ser melhor que ontem e amanhã melhor que hoje. E ninguém, nenhum ser humano, é mais treinado em se superar a cada dia, nem mais capaz de contagiar os que estão ao seu redor com este ímpeto de superação, que as pessoas com deficiência, que aqueles que precisam se esforçar muito mais que os demais para dar conta até das coisas mais simples.

Então, neste Dia Internacional da Pessoa com Deficiência (e em todos os outros também!), quero deixar o mais sincero obrigado de toda a família Mater Plus por você existir! Você, que longe de ser vítima, é um herói, uma heroína, que diariamente ensina ao Mundo o que é superação. Você, que aproxima dia a dia toda a humanidade da plenitude, da perfeição.

Muito obrigado!


 

6 thoughts on “Meu marido conta sobre sua deficiência

  1. Parabens a voces por esse texto maravilhoso. Parabens pelas lutas e vitórias de cada dia. Parabens pela coragem de se expor, e de dar “nome” às situações, que se não forem nomeadas (= enfrentadas) acabam se tornando “fantasmas” que impedem qualquer ser humano a se realizar plenamente.

    1. Agradecemos muito seu comentário, Ivan. É bom saber como cada pessoa recebeu nosso texto, que foi escrito “na dor e no amor”, hehe. Abs, Kerol

Deixe uma resposta